quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Neurociência e cognição animal

Artigo escrito professor: Edson Silva.


No mundo contemporâneo, onde os avanços das Ciências Biológicas são cada vez mais avassaladores temas importantes e controversos emergem da própria prática científica e da dinâmica social. Procedimentos como clonagem, transgenia e células- troncos são vistos como maravilhas da ciência moderna, entretanto, o debate ético dessas questões são muitas vezes superficiais ou enviesados.
SILVA, Edson José da. Os animais no livro didático de biologia: considerações éticas e etológicas. Paper,  Indaial - SC: Uniasselvi, 2015.


Mais recentemente temos a neurociência cognitiva animal, com trabalhos de imageamento cerebral de animais mamíferos, esta pôde comprovar o que já há muito tempo desconfiava-se, grande parte dos animais não-humanos, senão todos, compartilham de muitas características tidas humanas(BEKOFF, 2010). Sentimentos de altruísmo e indignação, afetividade e ira já não podem ser considerados atributos exclusivamente humanos.


REFERÊNCIAS
BEKOFF, Marc. A Vida emocional dos animais: alegria, tristeza e empatia nos animais. São Paulo: Cultrix, 2010.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Bichos também se emocionam



EM ATIVIDADES DE ZOOTERAPIA, os bichos apresentam a fluência comportamental. Sentimentos mais harmônicos e sutis em relação aos seres humanos.
Os animais não são máquinas insensíveis, movidas a estímulos como preconizou o filósofo Descartes. São seres com sentimentos, inteligência, memória, sujeitos a sofrimentos físicos e psíquicos. Assim defende a médica veterinária da Universidade de São Paulo (USP), Irvênia Luiza de Santis Prada, autoridade mundial na comunidade científica na área de Neuroanatomia Animal.
Fonte: Diário do Nordeste - Fortaleza - CE.